Como ter ideias criativas? De onde elas surgem?

Fevereiro 12, 2018

how to come up with good ideas

Parece que as boas ideias sempre surgem de repente, que nem um raio.

Com certeza você passa uma boa parte do dia procurando sua inspiração, porém sem encontrá-la.

Às vezes você faz uma lista de ideias, mas nenhuma parece valer a pena o investimento.

Além disso, muitas vezes a inspiração para uma grande ideia vem logo antes de dormir, quando você já está embaixo da coberta. A menos que você se levante e anote a ideia, você corre o risco de esquecê-la para sempre.

Muitas profissões exigem ter boas ideias constantemente, tais como empreendedor, criador, artista, marqueteiro e artesão.

A criatividade e o processo de criação de ideias ainda são um mistério nos dias de hoje. Porém, você pode se treinar para melhorar o seu fluxo de boas ideias.

De onde surgem as ideias?

Antes de falar da criação de ideias, vamos definir o que é uma ideia.

Segundo a Elizabeth Gilbert, autora do livro Comer, rezar, amar, as pessoas geralmente têm uma das seguintes duas perspectivas em relação à origem das ideias.

  1. As ideias vêm de um esforço mental: é graças à força e à concentração que vêm as ideias, através da tentativa e erro. Entretanto, essa interpretação pode ser frustrante, já que o peso recai completamente na pessoa que gostaria de ter uma ideia.
  2. As ideias são um presente espontâneo de forças que estão fora do seu controle: antigamente, e até mesmo hoje em dia, a gente imaginava uma “musa”, ou seja, uma fonte de inspiração que nos dava uma boa ideia de presente. Essa é uma interpretação mais abstrata da formação das ideias.

De certa forma, acredito que na verdade seja uma combinação das duas perspectivas: tudo que você absorve do mundo à sua volta é processado no seu cérebro. As ideias, consequentemente, são a conexão entre o esforço mental e um presente espontâneo.

Talvez tenham te enganado dizendo que é do lado direito do cérebro que vêm todas as ideias, mas não é bem assim.

A criatividade envolve diferentes partes do seu cérebro dependendo da etapa do processo. O córtex pré-frontal tem um grande papel na descoberta espontânea e deliberada de relacionamentos entre conceitos.

A criatividade é o processo de ligar os pontos. Cada ponto é uma experiência, um conceito ou um conhecimento que você adquiriu.

Várias descobertas e invenções da história são exemplo disso.

A ideia do Velcro surgiu quando George de Mestral, um engenheiro suíço, estava escalando os Alpes e reparou que tinha sementes de bardana presos na barra da calça e nos pêlos do cachorro dele. Ele ligou os pontos entre o design aderente da semente de bardana e como isso poderia ajudar no mundo real a prender objetos. Hoje em dia, a tecnologia dos velcros é utilizada em sapatos, e até mesmo pela NASA.

Você provavelmente já ouviu falar de como o Sir Isaac Newton supostamente definiu a gravidade depois de ver uma maçã caindo de uma árvore, fazendo a conexão dessa imagem com seus conhecimentos de física e matemática.

É lindo pensar que o processo de criação de ideias começa ao utilizar algo que já existe para criar uma coisa diferente, simplesmente ligando conceitos que já existem de forma inovadora.

A maioria das histórias de sucesso surgiram de ideias que vieram do nada. Mas as pessoas que usam a criatividade todos os dias como ganha-pão são prova de que é possível ser criativo sob pressão.

As quatro etapas da criação intencional de ideias

O processo criativo foi explicado pelo modelo de Graham Wallis, que tem quatro etapas:

  1. Preparação:definir o problema e seus requisitos, juntar informações.
  2. Incubação:dar um tempo para sua mente digerir as informações e trabalhar com diferentes combinações entre as ideias que você teve durante a etapa de preparação.
  3. Revelação:momento de revelação no qual você começa a formar uma ideia.
  4. Verificação:validação da sua ideia, avaliando se ela preenche todos os requisitos da etapa de preparação.

Se uma ideia não passar no processo de verificação, você pode simplesmente voltar ao passo de incubação ou preparação e tentar novamente.

Qualquer pessoa que estiver passando por um processo criativo de resolução de problemas provavelmente já esteja intuitivamente seguindo esses passos.

Porém, ao estar consciente dos passos e aplicar as táticas para ajudar em cada passo, você se torna mais eficiente e produz ideias melhores com mais consistência.

1. Preparação: junte todas as informações

Quanto mais informações você juntar, mais possibilidades terá.

A etapa de preparação trata-se de saber quais cartas do baralho você tem em mãos e quais são as regras do jogo.

O principal é entender bem o seu objetivo. Você está tentando criar um slogan de sucesso? Ou quem sabe ganhar uma renda extra?

É nessa etapa que você deve delimitar seu processo de verificação. Qual é o seu orçamento? Qual é o prazo máximo? Qual é o público-alvo da sua ideia?

Torne o seu problema o mais concreto possível para poder trabalhar em sentido inverso. Por exemplo, "quero ganhar mil reais para ir de férias para Noronha daqui a dois meses", ou "quero atingir 10 mil novos donos de gatos com a minha campanha de marketing de natal".

Se você está resolvendo um problema da sua empresa, faça uma análise SWOT (Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças) para entender o panorama completo e pensar em obstáculos e vantagens internas e externas.

SWOT analysis

A pesquisa é fundamental nessa etapa.Toda boa pesquisa começa pelas perguntas que precisam ser respondidas para ter todas as informações necessárias.

Escreva suas perguntas para guiar sua busca e utilizar a internet ao máximo.

  • Faça uma pesquisa no Google para saber mais sobre o seu problema e questões relacionadas.
  • Use o Google Trends para identificar tendências e assuntos muito pesquisados.
  • Use o Reddit para responder suas perguntas e ver fóruns com informações úteis.
  • Caso seu problema seja relacionado a tecnologia, consulte o fórum do Tech Tudo.
  • Procure soluções existentes para o seu problema e entenda como essas ideias foram executadas.

Em teoria, esse processo pode continuar para sempre, por isso tente se forçar a passar para o próximo passo assim que possível.

O processo criativo é desorganizado, por isso você provavelmente vai voltar para essa etapa se você não tiver nenhuma ideia boa.

2. Incubação: ligue os pontos até formar uma imagem

"Não estou procrastinando, minha ideia está na incubadora."

Parece uma desculpa para não fazer nada, mas na verdade muitas vezes é ao se afastar do problema que as ideias de soluções aparecem.

Na etapa de incubação, é preciso se distanciar do problema e das informações colhidas na etapa de preparação para que a nossa mente possa ligar os pontos.

Entenda que a incubação ocorre tanto passiva como ativamente. Não se sinta mal ao fazer uma pausa ou fazer outra coisa caso faltem boas ideias. Isso pode acabar te levando ao próximo passo, conforme você lerá abaixo.

Entretanto, você pode e deve aquecer seus músculos criativos das seguintes formas:

  • Redação livre: escreva sobre o seu problema. Anote todos os seus pensamentos e ideias sem se preocupar com a gramática, ortografia, ou até mesmo se suas ideias fazem sentido. Isso funciona como um bom aquecimento. Como o cérebro é fantástico para encontrar padrões, pode ser que encontre alguma coisa útil no caos das suas palavras. 
  • Desenhe mapas mentais: escreva seu problema em uma lousa ou papel. Agrupe os conceitos desenhando linhas entre ideias. Você também pode usar ferramentas gratuitas como o Coggle.
  • Faça uma lista e escreva o seu processo de pensamento: use o Workflowy (gratuito), uma folha de papel ou um Google Doc para criar uma lista de soluções. Agrupe suas soluções em grupos e subgrupos.
  • Crie um diagrama de Venn: desenhe dois ou mais círculos sobrepostos para criar um diagrama de Venn, e assim expressar diferenças em cada círculo e os pontos em comum no meio, onde eles se sobrepõem. Isso é muito útil para criar analogias e pensar numa forma criativa de explicar um conceito.
  • Converse com alguém sobre as suas ideias: duas cabeças pensam melhor do que uma. Explique seu problema para alguém de confiança. Explore a ideia até o fim antes de rejeitá-la.

A quantidade de ideias é muito mais importante nessa etapa do que a qualidade. Nessa etapa, não existem "ideias ruins". Nunca se sabe quais conexões vão te inspirar e render alguma coisas concreta. Pelo menos ter muitas ideias vai te preparar mentalmente para a próxima etapa.

3. Revelação: capture suas ideias

A revelação é aquele momento eureka! É quando surge uma ideia de repente.

Para quem é inventor ou empreendedor, esses momentos reveladores se tornam a base de uma boa ideia de produto.

É um insight que vem de repente, muitas vezes quando menos se espera. Existe um motivo para isso. O cérebro está mais propenso a ter esses insights quando o lóbulo frontal não está sendo ativamente utilizado. Lavar a louça, tomar banho ou fazer alguma outra atividade que permita se distrair mentalmente é uma boa forma de se afastar da questão e deixar que a sua cabeça "maquine" até chegar a inspiração.

Quando a inspiração chegar, capture todas as ideias que você conseguir visualizar enquanto seu cérebro ainda estiver a todo vapor. Esses momentos passam rápido, por isso é melhor aproveitar o tempo que a inspiração durar.

Muitos empreendedores e profissionais de áreas criativas têm um diário de ideias sempre por perto para esses momentos. Geralmente é um caderninho ou um app como o Evernote, Trello ou Google Keep (que eu uso). A ideia é ter essa ferramenta sempre com você.

Não sabe que produto vender? Veja o nosso post!

Aprenda 8 estratégias para encontrar um produto para vender na internet.

Ver post

4. Verificação: avalie e aprimore sua ideia

Essa é a última etapa, na qual você checa se as ideias que você teve preenchem os seus requisitos. 

Você não precisa ser objetivo, mas sim ter um papel ativo de advogado do diabo, fazendo as perguntas mais difíceis. Descarte ideias que não preencham os requisitos ou que não sejam viáveis para a implementação. 

Também é importante verificar se a sua ideia já existe ou já foi implementada. As ideias realmente originais são muito raras, mas isso não necessariamente é uma coisa ruim.

Ao avaliar como ideias parecidas já foram implementadas, você pode determinar quais aspectos precisam ser refeitos e quais não. Você pode pegar emprestado o que já funciona bem e aperfeiçoar aspectos que apresentem oportunidades. Isso é comum na área de marketing, onde a inspiração de novas ideias muitas vezes vem da concorrência ou de empresas de outros setores. 

Se a incerteza te afasta de uma ideia porque ela é muito inovadora ou parece coisa do futuro, lembre-se das palavras do Seth Godin:

“Em um mercado superlotado, se encaixar é sinônimo de fracasso. Em um mercado tão concorrido, não se destacar é a mesma coisa que ser invisível".

Se o seu objetivo principal é atrair e reter a atenção das pessoas, apresentar algo diferente pode ser muito bom, contanto que condiga com seu público.

Criatividade inesperada e planejada

Por mais que a gente tente, nem sempre conseguimos "ligar" nossa criatividade como se fosse questão de apertar um botão. Você pode tentar vencer a procrastinação e experimentar truques de concentração, mas sempre vai ter uma hora que você não vai conseguir controlar sua criatividade.

Apesar de muitas pessoas falarem sobre "os momentos mais criativos do dia", existe uma grande discordância em relação ao momento do dia em que pessoas criativas famosas da história trabalhavam melhor.

O único ponto em comum é que as pessoas criativas geralmente criam rotinas para aumentar o rendimento do processo de criatividade.

creative routines of famous people

Clique na imagem para ver a versão interativa no Podio (em inglês).

 

Nã importa se você rende mais de dia ou à noite. Aproveite seus momentos de inspiração ao máximo para criar um hábito de criatividade.

Em vez de tentar copiar a rotina de pessoas de sucesso, tente aperfeiçoar sua própria rotina.

A criatividade mais parece um músculo.

A criatividade não acaba. Você a alimenta e exercita, vai além dos limites para que ela se fortaleça cada vez mais. Se você a deixar quietinha, ela se atrofia e enfraquece.

Tudo contribui fortalecer o processo criativo. Quanto mais você absorver no mundo à sua volta e quanto mais conexões interessantes você fizer, mais criativo você se torna.

Leia e aprenda um pouco sobre tudo e encontre formas criativas de "brincar", seja escrevendo, desenhando, compondo rap improvisado ou qualquer outra coisa que te faça juntar conceitos de forma inovadora.

Faça o raio cair duas vezes no mesmo lugar

Apesar dos grandes gênios da criatividade existirem naturalmente, qualquer pessoa pode se tornar mais criativa ao incorporar o processo de criação de ideias e o processo criativo em sua vida.

Se a criatividade não pudesse ser trabalhada todos os dias, não existiriam artistas, escritores, comediantes, YouTubers, bloggers ou empreendedores. Essas pessoas incorporaram o processo de criatividade em seus estilos de vida. Elas vivem do processo de criação de ideias todos os dias, fazendo o raio da criatividade cair duas, três ou até mais vezes no mesmo lugar, seja no momento planejado ou não.

Entretanto, simplesmente ter uma ideia não é tudo. O processo de criação não termina quando você começa a executar. Você continua ligando os pontos à medida que vai implementando a ideia. 

E é aí que começa a parte mais divertida.

Você tem dicas sobre como ter grandes ideias? Compartilhe com a gente nos comentários abaixo!


Você tem uma ideia de negócios?

Comece a sua avaliação gratuita de 14 dias do Shopify hoje mesmo, sem precisar de cartão de crédito!


 Which method is right for you?Sobre a autora

Gabriela Jungblut é editora-chefe do blog da Shopify em português, gestora de marketing de conteúdo para o mercado brasileiro, tradutora e intérprete de conferências.

Post original em inglês: Braveen Kumar


Receba o Newsletter Empreendify