Maio 14, 2018

Quando o número de freelancers, autônomos e "side-hustlers" explodiu após a Grande Recessão, ninguém sabia bem o que esperar do fenômeno. Muitos pensaram que era uma evento pontual, uma lacuna para uma geração que logo se acomodaria em empregos seguros e estáveis.

Uma década depois, sabemos que esse não foi o caso. O surgimento da "economia gig" ou economia sob demanda é uma mudança sísmica no mundo do trabalho na mesma proporção do o advento da linha de montagem. Freelancers, side-hustlers e autônomos agora respondem por mais de um terço da força de trabalho dos EUA. Alguns estudos prevêem que a maioria dos trabalhadores americanos será freelancer dentro de uma década.

Se isso é bom ou ruim, é assunto de um debate furioso, é claro. De muitos cantos, temos visto preocupação e lamentamos pela perda de bons empregos e renda estável. Trabalhadores de gig normalmente são retratados como millennials sobrecarregados e mal pagos e usuários dependentes de uma série estonteante de apps de ping e zumbido sem oportunidades de avançar.

Em muitos casos, isso é certamente verdade. Há apenas um problema. Muitos críticos supõem, erroneamente, que a economia gig é um fim em si mesmo. Mas eu acho que há algo mais acontecendo. O trabalho de gig pode realmente ser um passo de transição em direção a um novo paradigma de trabalho - que pode mudar completamente a natureza dos negócios.

Uma economia em sua adolescência desajeitada

Em sua atual e mais comum encarnação, uma vida que depende de trabalho por encomenda digitalmente facilitado não é uma opção financeiramente sustentável para a maioria. A soma de uma renda de gigs que você ganhou no Fiverr é uma receita improvável para a verdadeira liberdade financeira, por exemplo. Nem os motoristas do Uber, que concentram suas atividades nos períodos de pico de demanda, conseguem desfrutar de uma das promessas centrais da economia do setor: obter controle sobre o seu próprio tempo. Ainda assim, 57 milhões de norte-americanos se envolvem em alguma forma de trabalho freelancer, de acordo com uma pesquisa do Upwork, que inclui 47% dos millennials. Suas atividades contribuem com cerca de US $ 1,4 trilhão para a economia dos EUA. Para melhor ou pior, o “gig” se tornou convencional.

Mas eu acho que o valor real da economia gig não está em seus fluxos de renda intermitentes, ou nas horas não convencionais; está na mentalidade que cria. Para muitas pessoas, isso instilou os princípios da atitude empresarial e introduziu a ideia de ser seu próprio patrão. Isso é algo poderoso.

Em números sem precedentes, pessoas de todas as origens abandonam ou complementaram empregos corporativos sem inspiração, assumindo seus meios de subsistência em suas próprias mãos. Eles podem, no momento, estar fazendo malabarismos com vários trabalhos em um esforço para ganhar dinheiro extra, mas a aspiração subjacente é algo realmente grande - ser um mestre de seu destino e até encontrar realização.

Desde o designer de moda que vende no Shopify ao desenvolvedor web corporativo construindo seu próprio portfólio até o Upwork após o expediente, muitos profissionais de gig estão empenhados em construir vidas que alimentem suas paixões, ao mesmo tempo em que ganham dinheiro em seus próprios termos. Este é um passo extremamente importante - mas apenas um passo - na evolução do trabalho em direção a um futuro mais sustentável.


Do trabalho do gig até o trabalho da vida

O próximo passo está finalmente começando a se revelar. Aos poucos, mas em números crescentes, estamos vendo o que começou como gig e "bicos" desabrochar em plena carreira.

Tive a sorte de ver isso de perto. Agências como a Bold Commerce, por exemplo, literalmente cresceram em um porão. A empresa começou quando três amigos decidiram - literalmente, depois de algumas bebidas no pub - que talvez fosse interessante criar aplicativos para ajudar os usuários do Shopify a administrar suas lojas. Eles ficaram até as duas da manhã, rabiscando idéias, antes de começar a trabalhar em seu primeiro aplicativo. No começo, foi definitivamente uma side hustle. Eles trabalhavam à noite e nos fins de semana - sempre que tinham tempo longe de seus empregos diários. Mas não demorou muito para que tivessem trabalho suficiente para desistir e se concentrar apenas em seu novo empreendimento. Então eles contrataram alguns funcionários adicionais ... seguidos por algumas dúzias mais. Hoje, a empresa emprega mais de 200 pessoas. Isso não acontece com todos os "gigs", é claro, mas é uma evolução que pode e ocorre.

É importante ressaltar que as carreiras apoiadas por essa economia emergente têm pouca semelhança com a típica rotina de funcionário CLT. O objetivo não é apenas encontrar trabalho, mas buscar o seu "trabalho de vida". Os jovens empreendedores de hoje foram criados com a máxima "faça o que você ama", e eles relutam em se contentar com menos. Eles enxergam o trabalho como uma extensão de quem são e uma oportunidade de deixar uma marca significativa no mundo através do seu talento, criatividade e paixão.

Isso, para mim, é um divisor de águas. É um grande passo evolutivo e algo impensável até algumas gerações atrás. Meu avô, vendedor de ovos por profissão, teve que esperar até que ele se aposentasse para buscar o trabalho comunitário que era sua paixão, o que ele considerava seu verdadeiro "trabalho de vida". Uma nova geração de empreendedores, muitos dos quais estão engatinhando em suas carreirasa na economia gig, tem a oportunidade de fazê-lo agora.

Uma nova forma de trabalhar: colaborar, não competir

É importante ressaltar que essa evolução é acelerada por um espírito de colaboração e cooperação entre uma geração emergente de empreendedores. Mergulhado na economia gig e na economia compartilhada, eles assimilaram em muitos casos os melhores aspectos de ambos. Eles fazem networking. Eles compartilham habilidades. Eles trocam conhecimento e conselhos com o objetivo de ajudar um ao outro a alcançar seu potencial. O novo paradigma não é acumular conhecimento e talento. Trata-se de criar um ecossistema simbiótico sustentável que se fortalece por meio da troca mútua.

Eu vi isso perto de casa com o nosso programa de parceiros, onde lojistas do Shopify podem se conectar com especialistas para ajudá-los a criar seu site e dar suporte aos seus negócios. Em breve, expandindo para um verdadeiro mercado de serviços, é uma rede inteira onde os empreendedores apoiam empreendedores - onde desenvolvedores da Web, designers gráficos, fotógrafos e especialistas em marketing se conectam com donos de lojas que precisam de ajuda, nutrindo um verdadeiro ecossistema de negócios em crescimento. Todos os anos, vejo essa comunidade crescer e se fortalecer na Unite, nossa conferência anual que reúne desenvolvedores, proprietários de agências e especialistas em negócios.

Então, onde isso tudo leva? Inevitavelmente, muitas dessas pequenas empresas se tornam maiores. Eles precisam de seus próprios funcionários e se tornam criadores de empregos de alta qualidade em tempo integral - exatamente o que a economia do gig foi acusada de matar. Algumas dessas empresas se tornam empresas com operações globais. O Instagram e o Houzz são apenas dois exemplos de empresas criadas depois da experimentação, que agora empregam milhares de pessoas.

Então, isso não nos leva de volta, em círculo completo, para onde começamos - abelhas operárias trabalhando em grandes corporações? Não necessariamente. Essas empresas, incluindo o próprio Shopify, são construídas com um DNA que é fundamentalmente diferente das máquinas corporativas irracionais. Eles foram criados por empreendedores que priorizam valores essenciais como autonomia, flexibilidade, criatividade e paixão. Para apoiar seu crescimento, essas empresas dependem de indivíduos com a mesma mentalidade de propriedade, que buscam significado, não segurança, fora do trabalho. Não há funcionários fazendo corpo mole aqui.

Isso tem o potencial de transformar a forma como trabalhamos. Imagine um mundo em que o emprego seguro e o emprego que realiza andam de mãos dadas. Isso, para mim, é o que “o trabalho da vida” significa: gastar tempo trabalhando em coisas que são significativas pessoalmente, com pessoas de quem realmente gostamos e que respeitamos profundamente, ao mesmo tempo em que encontramos alegria mesmo no dia-a-dia "normal".

Este é o verdadeiro jogo final. Podemos não estar lá ainda, mas pelo que observo - contemplando as 600 mil lojas que usam Shopify e os inúmeros empregos criados - estamos nos aproximando. A economia do gig não precisa ser um beco sem saída. Pode ser uma porta para um novo mundo de trabalho.

~~~~~~~~~~

Harley Finkelstein é o COO do Shopify, uma plataforma de ecommerce que ajuda os comerciantes a venderem onde quer que seus clientes estejam - online, nas mídias sociais, nas lojas e até mesmo na porta-malas de seus carros.

Artigo publicado pela Revista Forbes em 8 de maio de 2018


Receba o Newsletter Empreendify